21 de fev de 2017

bleh

Dormer, em Elementary. 

Todo dia de manhã, pago o preço de tentar ser um cara legal. Se isso não acontece em um momento do dia, é logo no começo, principalmente nos dias que mal saio de casa. 
A verdade é que existem coisas que fazem parte da nossa personalidade de uma forma que são quase que irretocáveis, algumas, até com experiências exaustivas e negativas não se tocam, só surgem, como o amor quase. É por isso que o amor causa tantos problemas, também. Com ele vem um montão dessas coisas. Mas claro que o amor é muito mais que isso e pra mim, está distante de ser definido. Aliás, a definição que mais gosto sobre o amor é que o amor é Deus, e Deus é o amor. Bem, soa e é incerto, já que a parte mais extrema desse conceito é baseado em fé, o que é, socialmente, oposto daquilo que é racional. (né?)

Longe de mim querer falar sobre o conceito de coisas relacionadas a Deus. Deixa eu tentar me encaixar no que vim dizer...

Bom, acho que me perdi mesmo. Mas! O que quero dizer, eu acho, é que, eu queria ter uma ficha de coisas que não deveria fazer pois sei que a resposta sempre é a mesma, algumas que eu faço por puro amor, ou, com a pretensão de ser um dia melhor. Preciso me tocar que minha mãe, ela realmente, não gosta muito de mim. E sempre foi assim, é meio que ter uma noção de vida completamente diferente, mesmo sendo criado exclusivamente por ela e seus problemas. E ela, definitivamente, não quer que eu fale com ela com tanto apego pela manhã. Tenho que ter noção que aquele porteiro não gosta de receber bom dia, ou boa noite, pois ele não responde, talvez acenar com a cabeça seja mais agradável. Tenho que saber que, talvez, meu mal humor rotineiro pela manhã tenha que ser alimentado um pouco também, pra se dissolver normalmente, como o de todos. Não preciso tentar sempre ser agradável, enquanto também introspectivo. Dá pra ser legal, sem se machucar. Eu acho.

É. 


2 comentários:

  1. "Todo dia de manhã, pago o preço de tentar ser um cara legal." me identifico viu! Hoje mesmo aconteceu algo assim comigo, eu, trouxa que sou, pedi desculpas por passar a impressão de estar ignorando alguém, quando na verdade foi a pessoa que me ignorou o dia todo! Pensei "ah, se eu me senti ignorada, talvez a pessoa tenha se sentido da mesma forma, e por isso não veio falar comigo". Mandei mensagem pedindo desculpas e a pessoa nem respondeu.

    Vivo essa filosofia de dar votos de confiança e segundas chances pras pessoas, mas estou sempre fazendo papel de trouxa. Igual você com o porteiro que não te cumprimenta, mas você insiste em cumprimentar ele mesmo assim. Eu vivo essa vida, dou murro em ponta de faca o dia todo, tentando ser uma pessoa legal, tentando ser a melhor versão de mim mesma, e estou sempre me ferrando (já aprendi a esperar o pior das pessoas, mas tem um lado inocente meu que insiste que elas podem mudar).

    Às vezes me pergunto se isso vale realmente a pena, e se não seria apenas melhor ignorar as pessoas e viver reclusa, totalmente anti-social. Ainda não encontrei a resposta pra isso.

    Bjs!
    31 de Março

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... nesse ponto, vivemos o mesmo conto. É extremamente difícil lidar com esse lado. Eu sou uma pessoa que, literalmente, não confio nas pessoas, e não espero nada delas. Então, quando isso acontece, é extremamente frustrante.

      Não acho certo ser assim. Acho que tudo deveria ter um limite. Mas, é difícil.

      Excluir